Pular para o conteúdo

Por que a Europa planeja acabar com os voos de curta distância

voos de curta distancia
voos de curta distancia

Em condições ideais de vento, é possível realizar a rápida travessia entre as ilhas de Westray e Papa Westray, localizadas nas pitorescas paisagens da Escócia, em surpreendentes 53 segundos. 

Uma viagem que poderia ser facilmente feita de barco. Esse é o voo comercial mais curto do mundo e é, claro, um exemplo extremo. Mas, a verdade é que existem muitos voos que são quase tão desnecessários e absurdos, especialmente no continente europeu. 

O aumento constante no número de passageiros é acompanhado pelo incremento proporcional nas emissões. Por isso, alguns países estão impondo proibições. E outros consideram seguir o exemplo. 

Mas nem todo mundo concorda com essas proibições. Será que os voos de curta distância estão com os dias contados na Europa? E esse plano vai mesmo reduzir as emissões, ou o tiro sairá pela culatra?

Os voos de curta distância são um problema ambiental

As rotas comerciais mais movimentadas da Europa também são bem curtas: o voo entre Madri e Barcelona demora apenas 1h30min. E somando o tempo para chegar ao aeroporto, passar pelo controle de segurança, a coisa toda pode tomar muito mais tempo do que ir de trem. 

Na verdade, um terço das rotas aéreas mais movimentadas da Europa podem ser feitas de trem em menos de 6 horas. E mesmo assim, 1,8 milhão de passageiros voam entre as duas cidades espanholas, todos os anos. Cada passageiro, mesmo na classe econômica, é responsável por 80 vezes mais emissões do que se tivesse optado pelo trem. 

Claro, voar de 1ª classe pode produzir muito mais do que isso, já que uma pessoa só ocupa espaço e produz emissões que poderiam ser divididos entre muitos. Na verdade, eliminando todos os voos de 1ª classe, cortaríamos 25% das emissões aéreas hoje, mesmo transportando o mesmo número de passageiros. Mas as viagens de luxo são um tópico completamente diferente.

No geral, voos de longa distância causam a maioria da poluição, mas por enquanto não há como torná-los mais limpos em larga escala. Voos de curta distância produzem menos emissões, mas são mais fáceis de substituir. 

Segundo um estudo da Agência Europeia do Ambiente, os voos de curta distância representam 24% das emissões de CO₂ do transporte aéreo na Europa, mas apenas 12% dos passageiros. Isso significa que esses voos são ineficientes e desperdiçam recursos.

Além disso, os voos de curta distância contribuem para a congestão dos aeroportos, o ruído, a poluição do ar e a perda de biodiversidade. Esses impactos afetam negativamente a saúde e a qualidade de vida das pessoas que vivem perto dos aeroportos ou das rotas aéreas.

Por que as pessoas ainda voam em rotas curtas?

Europa voos de curta distancia

Todavia, existe um obstáculo principal: o preço. Stefan Gössling, um especialista em transporte que é contra os voos baratos, diz: Na Europa, as despesas relacionadas a viagens aéreas frequentemente apresentam uma significativa vantagem financeira em relação aos deslocamentos por via ferroviária. 

O fato de os voos serem tão baratos foi parte de um projeto deliberado. Adicionalmente, destaca-se a isenção fiscal vigente sobre o querosene. Na Europa, você paga imposto sobre o combustível do carro, mas não para voar.

Para justificar tudo isso, as companhias apelam para a conveniência das viagens de avião e para o “direito à liberdade de circulação no continente” que os políticos aceitam. No entanto, os contribuintes europeus perdem bilhões de euros todos os anos para sustentar o setor. 

Apesar da baixa participação no voo, todos contribuem financeiramente para as companhias aéreas. Modificar esse cenário significa envolver governos, autoridades da aviação internacional, lobbies, alterar a legislação fiscal da União Europeia e as regras do mercado de carbono. Em outras palavras, a proibição de voos em rotas específicas emerge como uma alternativa mais viável.

As proibições são a solução?

A Holanda e a Bélgica tentaram, mas houve muita resistência. Também não foi fácil para os governos da França e da Áustria implementar essas proibições. Na França, o plano original era suspender voos de 8 rotas nacionais. 

Mas, depois de muito protesto das companhias aéreas e de grupos lobistas, o número de rotas diminuiu para 3. As companhias argumentam que essa proibição não faria diferença, o que, de certa forma, é verdade. 

A medida só reduz 2,6% das emissões dos voos domésticos na França, equivalendo a 0,02% das emissões totais do país. Se outros países tiverem sucesso, isso teria um impacto maior em termos absolutos. Mas se a intenção é dar fim aos voos de curta distância, proibir pode ser interessante, mas também é preciso oferecer alternativas atraentes.

O futuro dos transportes na Europa

E nesse ponto, há muito o que melhorar, mas algumas mudanças já estão acontecendo. Sob o Pacto Ecológico Europeu, a Comissão Europeia está trabalhando para conectar melhor as redes e integrar o transporte ferroviário às estradas, vias navegáveis e aeroportos. 

Na Suécia, algumas rotas de curta distância já desapareceram, porque viajar de trem ou de carro ficou mais conveniente. E, uma boa alternativa para os voos de curta distância pode ser o trem-bala, que é rápido, confortável e ecológico. 

A China já tem a maior rede de trens de alta velocidade do mundo, e a Europa pode se inspirar nesse exemplo. Além disso, há também a possibilidade de usar aviões elétricos ou movidos a hidrogênio, sendo mais limpos e silenciosos. Essas tecnologias continuam em desenvolvimento, mas podem se tornar realidade em um futuro próximo.

Portanto, os voos de curta distância podem estar com os dias contados na Europa, mas isso não significa que as pessoas vão deixar de viajar. Pelo contrário, elas podem ter mais opções de transporte, mais sustentáveis e acessíveis. 

Isso pode beneficiar não só o meio ambiente, mas também a economia, a cultura e a sociedade. Afinal, viajar é uma forma de ampliar os horizontes, conhecer novos lugares e pessoas, e aprender com as diferenças. E isso é algo que vale a pena preservar.

Fonte: www.dw.com

Gostou do Artigo? Você também pode ler:

Os 7 rios mais poluídos do mundo: um problema global

Top 7 melhores filmes de viagem que levam você a lugares incríveis

6 Maravilhas geológicas do mundo que vão te surpreender

As cidades mais amigáveis ​​para animais de estimação no mundo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *